jusbrasil.com.br
5 de Dezembro de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Detalhes da Jurisprudência
Processo
AG 21141 RS 2005.04.01.021141-8
Órgão Julgador
QUINTA TURMA
Publicação
DJ 13/10/2005 PÁGINA: 683
Julgamento
27 de Setembro de 2005
Relator
LUIZ ANTONIO BONAT
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor


Publicado
no D.J.U. de
11/07/2005
AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2005.04.01.021141-8/RS
RELATOR
:
Des. Federal OTÁVIO ROBERTO PAMPLONA
AGRAVANTE
:
MARINO MARCHI
ADVOGADO
:
Iracildo Binicheski e outro
AGRAVADO
:
INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO
:
Mauro Luciano Hauschild
























DECISÃO
























Trata-se de agravo de instrumento, com pedido de efeito suspensivo, interposto contra decisão que indeferiu pedido de antecipação de tutela, objetivando o restabelecimento do benefício de auxílio-doença.
A parte agravante pede a reforma da decisão, alegando que a decisão que indeferiu a antecipação de tutela não analisou tecnicamente a presença dos requisitos para a concessão da tutela, a saber: a verossimilhança da alegação e o fundado receio de dano irreparável.
É o relatório.
Decido.
Para a concessão do benefício de auxílio-doença ou de aposentadoria por invalidez é necessária a presença dos seguintes requisitos: qualidade de segurado, carência (quando for o caso) e incapacidade laboral (arts. 42 e 59 da Lei n.º 8.213/91).
A discussão nos autos cinge-se à prova da incapacidade laboral do autor, uma vez que a sua qualidade de segurado e a existência da carência não foram questionadas pelo INSS, tanto que o autor já teve deferido, por duas vezes, o benefício de auxílio-doença, o último cessado em fevereiro de 2005 (fls. 26/27).
O INSS, com base na perícia administrativa, não renovou o auxílio-doença anteriormente concedido ao agravado.
A perícia do INSS goza da presunção de legitimidade. Esta presunção, no entanto, pode ser afastada se, no caso concreto, outras provas se mostrarem fidedignas e em sentido contrário.
Com efeito, constata-se pelos documentos juntados aos autos que o autor está acometido de Hepatite Crônica causada pelo vírus C (CID B18.2) e que, em março de 2003, foi realizada biópsia de fígado que mostrou necrose em saca-bocado e septos fibrosos porta-porta, estágio imediatamente anterior a cirrose (fl. 20). Tal diganósitco foi confirmado, pelo mesmo médico, em 19/01/2005. O mesmo médico especialista, atestou, ainda, em seu relatório (fl. 20), que o autor deverá ser submetido a tratamento com medicamentos e que a falta deste poderá permitir a progressão da doença para formas mais graves, podendo levar, até mesmo, à morte do paciente. Há, ao lado desse relatório médico, parecer do médico da empresa na qual trabalha o autor, encaminhado ao INSS, em fevereiro de 2005, dando conta da situação do agravante - que é técnico agrícola -, o qual, corroborando a conclusão do outro especialista, menciona que a exposição a pesticidas agrícolas pode agravar seu quadro de saúde. Assim, o afastamento do trabalho se faz necessário, pois, em razão do tratamento a que deverá o autor se submeter, estará o mesmo inapto do ponto de vista ocupacional (fl. 22).
Há, por sua vez, nos autos laudo pericial (fls. 16/18), assinado por Engenheiro Mecânico e de Higiene e Segurança do Trabalho, relatando as atividades desenvolvidas pelo autor e registro dos agentes nocivos aos quais o mesmo está sujeito em razão de suas atividades profissionais.
Tenho que essas provas documentais, em princípio, autorizam que se afaste, na espécie, a presunção de legitimidade da perícia da autarquia, mormente em se considerando que se trata de restabelecimento de benefício e a moléstia que autorizou os primitivo benefício é a mesma e se faz, ainda, presente.
Assinalo, outrossim, que o fato de não ter o agravante interposto recurso na via administrativa quanto ao indeferimento da manutenção do benefício não tem o condão de afastar, como reconheceu o togado singular, a verossimilhança da alegação, porquanto não está a parte obrigada a esgotar a via administrativa, podendo, desde logo, postular seu direito judicialmente.
Quanto ao segundo requisito para a concessão da tutela antecipada, tenho-o, também, como caracterizado, pois, em questões que envolvem benefícios de natureza urgente, o provimento antecipatório se justifica como meio de tornar efetiva a prestação jurisdicional a qual, se retardada, causaria ao segurado um dano irreparável, ou por ser obrigado a trabalhar sem ter condições de saúde para tanto, ou por se ver privado de sua fonte de sustento.

Ante o exposto, defiro o pedido de efeito suspensivo ativo pleiteado.

Intime-se a parte agravada para, querendo, contraminutar.

Dispensadas as informações do juízo a quo .

Intimem-se. Publique-se.

Porto Alegre, 27 de junho de 2005.




































Des. Federal OTÁVIO ROBERTO PAMPLONA
Relator


Disponível em: https://trf-4.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1195598/agravo-de-instrumento-ag-21141/inteiro-teor-13767906

Informações relacionadas

Tribunal Regional Federal da 1ª Região
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 - APELAÇÃO CIVEL (AC) : AC 0002380-49.2018.4.01.9199

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - AGRAVO DE INSTRUMENTO : AG 5051290-53.2019.4.04.0000 5051290-53.2019.4.04.0000

Tribunal Regional Federal da 1ª Região
Jurisprudênciahá 8 anos

Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 - AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO : AGA 0028823-67.2010.4.01.0000 MG 0028823-67.2010.4.01.0000