jusbrasil.com.br
3 de Agosto de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
PRIMEIRA TURMA RECURSAL DO RS
Julgamento
14 de Junho de 2021
Relator
ALESSANDRA GÜNTHER FAVARO
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

Poder Judiciário
JUSTIÇA FEDERAL
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Gab. Juíza Federal ALESSANDRA GÜNTHER FAVARO (RS-1B)

RECURSO CÍVEL Nº 5008711-27.2019.4.04.7102/RS

RELATORA: Juíza Federal ALESSANDRA GÜNTHER FAVARO

RECORRENTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (RÉU)

RECORRIDO: CARLOS ALBERTO SANGOI (AUTOR)

VOTO

Trata-se de recurso interposto pela parte ré em face de sentença que julgou procedente o pedido para condenar o INSS a averbar, no tempo de contribuição do autor, os períodos de 01.05.2000 a 31.05.2000, 01.02.2002 a 31.12.2002, 01.01.2015 a 31.10.2017 e de 01.09.2018 a 31.03.2019, laborados como contribuinte individual e a conceder e implantar em favor da parte autora o benefício de aposentadoria integral por tempo de contribuição, a contar de 09.04.2019 (DER).

Irresignada, a autarquia insurge-se em relação à averbação dos períodos de 01.05.2000 a 31.05.2000, 01.02.2002 a 31.12.2002, 01.01.2015 a 31.10.2017 e de 01.09.2018 a 31.03.2019, que teriam sido laborados pelo Autor como contribuinte individual. Sustenta que não restou comprovado o exercício da atividade nos referidos períodos.

Com as contrarrazões, vieram os autos conclusos.

Passo à análise do feito.

I - Delimitação da lide e interesse recursal

Insurge-se a parte ré em relação à averbação dos períodos de 01.05.2000 a 31.05.2000, 01.02.2002 a 31.12.2002, 01.01.2015 a 31.10.2017 e de 01.09.2018 a 31.03.2019, que teriam sido laborados pelo Autor como contribuinte individual, ao argumento de que não restou comprovado o exercício da atividade nos referidos períodos.

Inobstante, verifica-se que em relação à competência de 05/2020 houve a autorização para complementação da contribuição recolhida em valor inferior ao salário mínimo e, em relação ao período de 01/2015 a 10/2017, houve autorização para pagamento da diferença de alíquota de 11% para 20%.

Dessa forma, tenho que em relação a estes períodos (05/2020 e 01/2015 a 10/2017) carece a parte ré de interesse recursal, porquanto não se tratam de períodos reconhecidos pelo juízo de origem, mas sim períodos já constantes no CNIS, com indicativos de pendência.

II - Da indenização/complementação das contribuições previdenciárias pelos segurados contribuintes individuais

Inicialmente, destaco que a Lei n. 8.212/1991, em seu art. 30, II, dispõe que "os segurados contribuinte individual e facultativo estão obrigados a recolher sua contribuição por iniciativa própria, até o dia quinze do mês seguinte ao da competência".

Acaso o trabalhador que exerceu atividade remunerada de filiação obrigatória na qualidade se segurado contribuinte individual, nos termos do art. 11, inciso V, da Lei n. 8.213/1991, não tenha realizado o recolhimento das contribuições previdenciárias devida na época própria e pretenda contar com o tempo de contribuição respectivo para fins de obtenção de benefício perante o RGPS, o art. 45-A da Lei 8.212/1991, incluído pela Lei Complementar n. 128/08, viabiliza a indenização ao INSS:

Art. 45-A. O contribuinte individual que pretenda contar como tempo de contribuição, para fins de obtenção de benefício no Regime Geral de Previdência Social ou de contagem recíproca do tempo de contribuição, período de atividade remunerada alcançada pela decadência deverá indenizar o INSS.

§ 1º O valor da indenização a que se refere o caput deste artigo e o § 1o do art. 55 da Lei no 8.213, de 24 de julho de 1991, corresponderá a 20% (vinte por cento):

I – da média aritmética simples dos maiores salários-de-contribuição, reajustados, correspondentes a 80% (oitenta por cento) de todo o período contributivo decorrido desde a competência julho de 1994; ou

II – da remuneração sobre a qual incidem as contribuições para o regime próprio de previdência social a que estiver filiado o interessado, no caso de indenização para fins da contagem recíproca de que tratam os arts. 94 a 99 da Lei no 8.213, de 24 de julho de 1991, observados o limite máximo previsto no art. 28 e o disposto em regulamento.8)

§ 2º Sobre os valores apurados na forma do § 1o deste artigo incidirão juros moratórios de 0,5% (cinco décimos por cento) ao mês, capitalizados anualmente, limitados ao percentual máximo de 50% (cinqüenta por cento), e multa de 10% (dez por cento)

§ 3º O disposto no § 1o deste artigo não se aplica aos casos de contribuições em atraso não alcançadas pela decadência do direito de a Previdência constituir o respectivo crédito, obedecendo-se, em relação a elas, as disposições aplicadas às empresas em geral.

Acerca da possibilidade de cômputo das contribuições previdenciárias vertidas em atraso para fins de carência, nesse sentido é a orientação da Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais:

PREVIDENCIÁRIO. CARÊNCIA. CONTRIBUINTE INDIVIDUAL. RECOLHIMENTO COM ATRASO DAS CONTRIBUIÇÕES POSTERIORES AO PAGAMENTO DA PRIMEIRA CONTRIBUIÇÃO SEM ATRASO. ART. 27, § 2º DA LEI Nº 8.213/91. PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADO. IMPOSSIBILIDADE DE CÔMPUTO DAS CONTRIBUIÇÕES RECOLHIDAS COM ATRASO RELATIVAS AO PERÍODO ENTRE A PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADO E A SUA REAQUISIÇÃO PARA EFEITO DE CARÊNCIA. INCIDENTE CONHECIDO E PROVIDO. 1. Alega o recorrente que o acórdão proferido pela 2ª Turma Recursal do Rio Grande do Sul diverge da jurisprudência dominante desta Turma Nacional de Uniformização, pois haveria computado, para fins de carência, contribuições recolhidas com atraso após a perda da qualidade de segurado, enquanto que o acórdão apontado como paradigma somente admitiria a contagem de contribuições recolhidas com atraso, para esse fim, quando não houvesse perda da qualidade de segurado (PEDILEF nº 200772500000920, Rel. Juiz Federal Derivaldo de Figueiredo Bezerra Filho, DJ 09/02/2009). 2.Segundo o acórdão recorrido, "No caso dos autos, para completar a carência para o benefício pretendido, a parte autora requer o reconhecimento de período contributivo, na condição de contribuinte individual, nos lapsos de 06/1981 a 03/1982, 04/1995 a 11/2001, de 01/2002 a 11/2004, 02/2007 e de 04/2007 a 12/2008, sendo que as respectivas contribuições foram recolhidas em 01/2009." Fundamenta que as contribuições relativas ao período de 1995 a 2008, mesmo tendo sido recolhidas com atraso, poderiam ser computadas porque posteriores às contribuições do período de 01/1980 a 05/1981 e 04 a 05/1982, que foram recolhidas nas épocas próprias. Citou acórdão proferido por esta Turma Nacional em que se admite a contagem de contribuições recolhidas em atraso, para efeito de carência, desde que não haja perda da qualidade de segurado. 3. O acórdão recorrido diverge da jurisprudência desta Turma Nacional, na medida em que, pela leitura do próprio julgado, verifica-se que houve perda da qualidade de segurado (entre 1984 e 2009), não sendo possível o cômputo das contribuições recolhidas com atraso após a desvinculação do segurado do RGPS. Havendo perda da qualidade de segurado, somente as contribuições "realizadas a contar da data do efetivo pagamento da primeira contribuição sem atraso" (após a reaquisição da qualidade de segurado) podem ser computadas para efeito de carência, "não sendo consideradas para este fim as contribuições recolhidas com atraso referentes a competências anteriores" (art. 27, II, da Lei n.º 8.213/91). 4. O objetivo da norma do art. 27, II da Lei nº 8.213/91 é impedir que o segurado, desvinculado do regime geral da previdência social, volte a contribuir apenas quando já enquadrado em alguma das situações que ensejam o pagamento de benefício, efetuando recolhimento retroativo de contribuições e garantindo assim o pagamento de nada mais que o número mínimo de contribuições. Trata-se de norma complementar à prevista no art. 59, parágrafo único, do mesmo diploma legislativo, relativa aos benefícios por incapacidade. 5. A previdência social é regida pelo princípio da solidariedade, devendo os segurados, para se beneficiarem de suas prestações, se manterem filiados e contribuindo para o regime, não fazendo jus aos seus benefícios aqueles que deixam de contribuir por longo período, vindo a perder a qualidade de segurado, e retornam ao regime apenas quando já enquadrados em alguma das situações que ensejam o recebimento de contraprestações, mediante o pagamento retroativo de contribuições. A exigência do requisito carência e as normas que lhes são correlatas existem para garantir a solidariedade e a sustentabilidade financeira do regime. 6. A qualidade de segurado afirmada no acórdão recorrido, adquirida pela parte em decorrência do pagamento retroativo das contribuições, não se confunde com a exigência de que a parte mantivesse a qualidade de segurado no momento em que efetuou o recolhimento das contribuições com atraso (isto é, antes de realizá-o), preconizada pela jurisprudência desta Turma Nacional de Uniformização. Do contrário, seria inútil condicionar o cômputo destas contribuições à ausência de perda da qualidade de segurado, já que todo recolhimento, independente da data em que realizado, sempre provocaria a reaquisição da qualidade de segurado. Não é a esta qualidade de segurado, adquirida em virtude do recolhimento extemporâneo, que a jurisprudência da Turma Nacional se refere quando permite a contagem das contribuições recolhidas com atraso para fins de carência. 7. Incidente de uniformização conhecido e provido. 8.Este julgado está indicado como representativo de controvérsia. O Presidente da TNU poderá determinar que todos os processos que versarem sobre esta mesma questão de direito material sejam automaticamente devolvidos para as respectivas Turmas Recursais de origem, antes mesmo da distribuição do incidente de uniformização, para que confirmem ou adequem o acórdão recorrido. Aplicação do art. 7º, VII, a, do regimento interno da TNU, com a alteração aprovada pelo Conselho da Justiça Federal em 24/10/2011.(PEDIDO 200971500192165, JUIZ FEDERAL ANDRÉ CARVALHO MONTEIRO, DOU 08/03/2013.)

No mesmo sentido os seguintes precedentes da TNU, dentre outros: PEDIDO 50389377420124047000, JUIZ FEDERAL JANILSON BEZERRA DE SIQUEIRA, DJ 22/03/2013; e PEDIDO 200970600009159, JUIZ FEDERAL ADEL AMÉRICO DE OLIVEIRA, DJ 21/09/2012.

Nesse sentido é também a orientação da Turma Regional de Uniformização da 4ª Região, in verbis:

INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA. PREVIDENCIÁRIO. CONTRIBUINTE INDIVIDUAL. CONTRIBUIÇÕES RECOLHIDAS EM ATRASO. CÔMPUTO PARA EFEITOS DE CARÊNCIA. 1. Após o recolhimento da primeira contribuição tempestiva, as contribuições vertidas em atraso pelo contribuinte individual poderão ser computadas para efeito de carência, desde que o seu recolhimento se dê enquanto mantida a qualidade de segurado relativa àqueles recolhimentos válidos. 2. Indevido o cômputo, para efeitos de carência, das contribuições recolhidas em atraso que se refiram a momento anterior à nova filiação, quando não ostentava, o contribuinte, a qualidade de segurado da Previdência Social. 3. Incidente de Uniformização de Jurisprudência conhecido e desprovido. (5000391-81.2012.404.7118, Turma Regional de Uniformização da 4ª Região, Relator p/ Acórdão Fernando Zandoná, D.E. 28/05/2012)

Desse modo, nos termos do art. 27, II, da Lei nº 8.213/1991, admite-se o reconhecimento e cômputo das contribuições previdenciárias vertidas em atraso, desde que presente a qualidade segurado do RGPS e de que precedidas de pelo menos uma contribuição previdenciária válida (sem atraso).

Assim, sendo vertida a primeira contribuição previdenciária sem atraso pelo contribuinte individual, as contribuições subsequentes, ainda que a destempo, serão computadas para fins de carência, desde que mantida a qualidade de segurado.

Caso o segurado contribuinte individual objetive contar como tempo de contribuição período em que desempenhou atividade remunerada e não verteu contribuição, deverá indenizar o INSS, nos termos do art. 45-A da Lei nº 8.212/1991.

No caso dos autos, em análise ao extrato do CNIS (evento 14 - CNIS1), verifico que a demandante filiou-se ao RGPS e contribuiu, na qualidade de segurado empregado, de 01/11/1975 a 25/02/1976 e de 15/03/1977 a 04/08/1987, na qualidade de empresário/empregador, de 01/08/1987 a 31/01/1988, na qualidade de segurado empregado, de 09/04/1990 a 05/1996, na qualidade de segurado autônomo, de 01/08/1997 a 31/11/1999, como contribuinte individual, de 01/12/1999 a 31/01/2000, como autônomo, de 01/05/2000 a 31/05/2000, como contribuinte individual, de 01/08/2000 a 31/08/2000, de 01/10/2000 a 31/10/2000, de 01/09/2001 a 31/01/2002, como segurado empregado, de 01/09/2003 a 13/12/2004, de 04/01/2005 a 04/01/2006, de 03/09/2007 a 17/11/2014, de 01/11/2017 a 19/04/2018 e de 01/06/2018 a 29/08/2018.

No tocante às competências de 02/2002 a 12/2002 e de 09/2018 a 03/2019 sustenta a Autarquia que não restou comprovado o exercício de atividade empresária.

Vale destacar as bem lançadas razões do MM. julgador a quo, as quais adoto a fim de evitar tautologia:

Foi determinada a baixa dos autos em diligência, tendo o Autor sido intimado para (Evento 16): a) Esclarecer se também pretende a complementação da competência de 05/2000, recolhida como contribuinte individual em valor inferior ao salário mínimo; b) Anexar aos autos documentos que demonstrem o efetivo desempenho da atividade de empresário autônomo durante os períodos de 02/2002 a 12/2002 e de 09/2018 a 03/2019, os quais não possuem registro no CNIS.

Em resposta, o Demandante informou que também pretendia a complementação da competência de 05/2000; que possuía recolhimentos sem atraso no CNIS, como contribuinte individual, no período anterior a 02/2002 a 12/2002, bem como anexou informações, no bojo da petição do Evento 20, referentes a empresa de sua titularidade - Delicia's -, com início das atividades em 10.11.2014, voltada para a fabricação de produtos de padaria e confeitaria, com predominância de produção própria (Evento 20).

Com base em tais informações, entendi demonstrado o desempenho da atividade de empresário autônomo nos períodos de 02/2002 a 12/2002 e de 09/2018 a 03/2019, não havendo óbice a que fosse autorizado o recolhimento das contribuições desses lapsos (Evento 24).

Desse modo, foi determinada a intimação do INSS para: a) Emitir GPS relativa a diferença entre a alíquota de 11% e a alíquota de 20%, concernente ao período de 01/2015 a 10/2017, adotando-se os critérios de juros e correção monetária utilizados na esfera administrativa; b) Emitir GPS relativa aos períodos de 02/2002 a 12/2002 e de 09/2018 a 03/2019, laborados pelo Autor como contribuinte individual, com alíquota de 20% sobre o salário mínimo, adotando-se os critérios de juros e correção monetária utilizados na esfera administrativa; c) Emitir GPS relativa à complementação da competência de 05/2000, recolhida em valor inferior ao salário mínimo, adotando-se os critérios de juros e correção monetária utilizados na esfera administrativa (Evento 24).

Apresentada a guia para pagamento pelo INSS (Evento 58, GPS 1), o Autor comprovou o pagamento das contribuições devidas, conforme CNIS (Evento 61, CNIS 1).

Com efeito, verifica-se que, no período imediatamente anterior ao lapso controvertido de 02/2002 a 12/2002, o autor já vertia, regularmente, contribuições na qualidade de segurado contribuinte individual (de 09/2001 a 01/2002), o que leva a conclusão da continuidade das atividades desenvolvidas. Já em relação ao período de 09/2018 a 03/2019, o autor apresentou informações da empresa de sua titularidade.

Nesse contexto, a parte autora faz jus ao cômputo dos períodos controvertidos, nos termos da sentença.

III - Decisão

Consoante a fundamentação, voto por conhecer em parte do recurso da parte ré e, na parte conhecida, negar-lhe provimento.

A decisão da Turma Recursal assim proferida, no âmbito dos Juizados Especiais, é suficiente para interposição de quaisquer recursos posteriores.

Dou expressamente por prequestionados todos os dispositivos indicados pelas partes nos presentes autos, para fins do art. 102, III, da Constituição Federal; art. 14, caput e parágrafos e art. 15, caput, ambos da Lei nº 10.259, de 12.07.2001.

Importa destacar que "o magistrado, ao analisar o tema controvertido, não está obrigado a refutar todos os aspectos levantados pelas partes, mas, tão somente, aqueles que efetivamente sejam relevantes para o deslinde do tema" (STJ, Resp 717265, DJ 12.03.2007, p. 239).

Em assim sendo, rejeito todas as alegações do recorrente que não tenham sido expressamente rejeitadas nos autos, porquanto desnecessária a análise das mesmas para chegar à conclusão que se chegou na decisão.

Condeno a parte ré ao pagamento dos honorários advocatícios fixados em 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação, ou sobre o valor atualizado da causa, se não houver condenação. No caso de ações previdenciárias aplicam-se as Súmulas 76 do TRF da 4ª Região e 111 do STJ. A verba honorária é excluída caso não tenha havido participação de advogado na defesa da parte autora no processo.

Ante o exposto, voto por conhecer em parte do recurso da parte ré e, na parte conhecida, negar-lhe provimento.


Documento eletrônico assinado por ALESSANDRA GÜNTHER FAVARO, Juíza Relatora, na forma do artigo , inciso III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006 e Resolução TRF 4ª Região nº 17, de 26 de março de 2010. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 710013024306v9 e do código CRC 0d1f568b.

Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): ALESSANDRA GÜNTHER FAVARO
Data e Hora: 11/5/2021, às 15:28:57

710013024306 .V9

Conferência de autenticidade emitida em 16/06/2021 00:37:44.

Documento:710013269024
Poder Judiciário
JUSTIÇA FEDERAL
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul
Gab. Juíza Federal ALESSANDRA GÜNTHER FAVARO (RS-1B)

RECURSO CÍVEL Nº 5008711-27.2019.4.04.7102/RS

RELATORA: Juíza Federal ALESSANDRA GÜNTHER FAVARO

RECORRENTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (RÉU)

RECORRIDO: CARLOS ALBERTO SANGOI (AUTOR)

ADVOGADO: ISAIAS INKELMANN DORNELES (OAB RS100124)

ACÓRDÃO

A 1ª Turma Recursal do Rio Grande do Sul decidiu, por unanimidade, conhecer em parte do recurso da parte ré e, na parte conhecida, negar-lhe provimento, nos termos do voto do (a) Relator (a).

Porto Alegre, 14 de junho de 2021.


Documento eletrônico assinado por ALESSANDRA GÜNTHER FAVARO, Relatora do Acórdão, na forma do artigo , inciso III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006 e Resolução TRF 4ª Região nº 17, de 26 de março de 2010. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 710013269024v2 e do código CRC 957fc028.

Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): ALESSANDRA GÜNTHER FAVARO
Data e Hora: 14/6/2021, às 16:44:30

710013269024 .V2

Conferência de autenticidade emitida em 16/06/2021 00:37:44.

Extrato de Ata
Poder Judiciário
Justiça Federal da 4ª Região
Seção Judiciária do Rio Grande do Sul

EXTRATO DE ATA DA SESSÃO Virtual DE 07/06/2021 A 14/06/2021

RECURSO CÍVEL Nº 5008711-27.2019.4.04.7102/RS

RELATORA: Juíza Federal ALESSANDRA GÜNTHER FAVARO

PRESIDENTE: Juiz Federal ANDRÉ DE SOUZA FISCHER

RECORRENTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (RÉU)

RECORRIDO: CARLOS ALBERTO SANGOI (AUTOR)

ADVOGADO: ISAIAS INKELMANN DORNELES (OAB RS100124)

Certifico que este processo foi incluído na Pauta da Sessão Virtual, realizada no período de 07/06/2021, às 00:00, a 14/06/2021, às 14:00, na sequência 350, disponibilizada no DE de 26/05/2021.

Certifico que a 1ª Turma Recursal do Rio Grande do Sul, ao apreciar os autos do processo em epígrafe, proferiu a seguinte decisão:

A 1ª TURMA RECURSAL DO RIO GRANDE DO SUL DECIDIU, POR UNANIMIDADE, CONHECER EM PARTE DO RECURSO DA PARTE RÉ E, NA PARTE CONHECIDA, NEGAR-LHE PROVIMENTO.

RELATORA DO ACÓRDÃO: Juíza Federal ALESSANDRA GÜNTHER FAVARO

Votante: Juíza Federal ALESSANDRA GÜNTHER FAVARO

Votante: Juiz Federal FERNANDO ZANDONÁ

Votante: Juiz Federal ANDRÉ DE SOUZA FISCHER

FERNANDA DE MELLO DISCONSI BOCHI

Secretária


Conferência de autenticidade emitida em 16/06/2021 00:37:44.

Disponível em: https://trf-4.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1232177653/recurso-civel-50087112720194047102-rs-5008711-2720194047102/inteiro-teor-1232178347