jusbrasil.com.br
22 de Janeiro de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
QUARTA TURMA
Publicação
D.E. 08/04/2016
Julgamento
6 de Abril de 2016
Relator
CANDIDO ALFREDO SILVA LEAL JUNIOR
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor


RELATOR
:
CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JUNIOR
APELANTE
:
DARCIONIRIO PEIXOTO DA SILVA
ADVOGADO
:
LILIAN OLIVEIRA FELIPPE
:
Ana Paula Ferreira do Carmo
APELADO
:
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF
:
EMPRESA GESTORA DE ATIVOS - EMGEA
APELADO
:
INACIO ZAGO CARGNELUTTI
ADVOGADO
:
LISIANE DE ALMEIDA LUCHO KOPP
MPF
:
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

EMENTA

DIREITO ADMINISTRATIVO. DIREITO CIVIL. DIREITO PROCESSUAL CIVIL. CERCEAMENTO DE DEFESA. ALEGAÇÃO GENÉRICA. PROCESSO DE EXEUÇÃO EXTRAJUDICIAL. AQUISIÇÃO DO IMÓVEL. AUSÊNCIA DE NULIDADE. PRECEDENTES.
. A alegação genérica de nulidade da sentença por cerceamento de defesa, sem que seja indicada especificamente a prova cerceada, impede o conhecimento da questão em sede de apelação;
. Conforme o artigo 131 do Código de Processo Civil, o magistrado não está obrigado a julgar a questão posta a seu exame de acordo com o pleiteado pelas partes, mas sim com o seu livre convencimento, utilizando-se dos fatos, provas, jurisprudência e aspectos pertinentes ao tema, bem como da legislação que entender aplicável ao caso. O juiz, de ofício ou a requerimento da parte, determina as provas necessárias à instrução do processo, indeferindo as diligências inúteis ou meramente protelatórias (artigo 130 do Código de Processo Civil). Sendo assim, não se configura cerceamento de defesa quando o conjunto probatório dos autos é suficiente para formação da convicção do magistrado, nos termos do CPC. Destarte, o magistrado pode dispensar a realização da prova pericial, testemunhal ou mesmo a sua complementação, apresentando as razões de seu convencimento, sem que a decisão importe cerceamento do direito de defesa;
. O juízo de origem está próximo das partes e dos fatos, devendo ser prestigiada sua apreciação dos fatos da causa, uma vez não havendo nos autos situação que justifique alteração do que foi decidido
. Não é possível a ampliação, por analogia, de uma restrição imposta pelo legislador. Com efeito, nos termos do princípio da legalidade, insculpido no artigo , inciso II, da Constituição Federal, 'ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei'. Assim, somente a existência de vedação legal expressa pode autorizar a restrição de direito, não se prestando para tal fim a ampliação por analogia, pretendida pelo autor.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a Egrégia 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, negar provimento à apelação, nos termos do relatório, votos e notas taquigráficas que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 06 de abril de 2016.

Desembargador Federal CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JUNIOR
Relator

Documento eletrônico assinado por Desembargador Federal CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JUNIOR, Relator, na forma do artigo , inciso III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006 e Resolução TRF 4ª Região nº 17, de 26 de março de 2010. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 8163183v3 e, se solicitado, do código CRC 2779BD87.
Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): Cândido Alfredo Silva Leal Junior
Data e Hora: 08/04/2016 10:17

RELATOR
:
CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JUNIOR
APELANTE
:
DARCIONIRIO PEIXOTO DA SILVA
ADVOGADO
:
LILIAN OLIVEIRA FELIPPE
:
Ana Paula Ferreira do Carmo
APELADO
:
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF
:
EMPRESA GESTORA DE ATIVOS - EMGEA
APELADO
:
INACIO ZAGO CARGNELUTTI
ADVOGADO
:
LISIANE DE ALMEIDA LUCHO KOPP
MPF
:
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

RELATÓRIO

Trata-se de ação proposta por DARCIONIRIO PEIXOTO DA SILVA contra a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, a EMPRESA GESTORA DE ATIVOS - EMGEA e INÁCIO ZAGO CARNELUTTI, objetivando a anulação de venda extrajudicial do bem descrito na inicial.

Narra que, em fevereiro de 2007, locou imóvel de propriedade de Rosane de Almeida Borges. Relata que, naquela oportunidade, a locadora assumiu a obrigação de quitar o financiamento do imóvel junto à CEF e, ao término do contrato de mútuo, vender o bem ao locatário. Refere que não houve a informação, no Registro de Imóveis, de que o imóvel teria sido adjudicado em favor da EMGEA para fins de leilão. Sustenta a nulidade da venda extrajudicial realizada, uma vez que o corréu INÁCIO ZAGO CARNELUTTI fazia parte do quadro de leiloeiros da CEF, violando o artigo 497, inciso IV, do Código Civil. Alega ter prioridade na aquisição do imóvel, nos termos do artigo 38 do Estatuto do Idoso.

O exame do pedido antecipatório foi prejudicado em razão da concessão de liminar na ação de imissão de posse nº 022/1.14.0004768-2, em trâmite na 1ª Vara Cível da Comarca de Pelotas. O Juízo a quo requereu a remessa dos autos da Justiça Estadual àquele juízo (Evento 3 dos autos originários).

O corréu INÁCIO ZAGO CARNELUTTI opôs embargos declaratórios, os quais foram rejeitados (Eventos 17 e 22).

Citado, o requerido INÁCIO ZAGO CARNELUTTI contestou a ação, suscitando, preliminarmente, a ilegitimidade ativa. No mérito, alegou que jamais figurou como leiloeiro junto à CEF. Defendeu que a simples condição de locatário não confere ao autor direito de preferência à aquisição do imóvel. Consignou que a manutenção do imóvel em sua posse ensejaria incentivo ao inadimplemento (Evento 35).

Citadas, a CEF e a EMGEA também contestaram a ação, suscitando, preliminarmente, a ilegitimidade do autor. No mérito, defendeu a regularidade do processo de expropriação e da venda extrajudicial. Salientou que o devedor (mutuário) foi chamado para purgar a mora, oportunizada a defesa. Asseverou que o direito de preferência previsto na Lei nº 8.245/91 não se aplica nos casos de execuções e leilões extrajudiciais (Evento 42).

O pedido de manutenção provisória na posse foi indeferido (Evento 50), decisão que foi reformada por este Tribunal (TRF4, AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5016284-58.2014.404.0000, 4ª TURMA, Des. Federal CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JÚNIOR, POR UNANIMIDADE, JUNTADO AOS AUTOS EM 26/09/2014).

Encerrada a instrução, a ação foi julgada improcedente pelo Magistrado Everson Guimarães Silva, enquanto Juiz Federal Substituto da 2ª VF de Pelotas, por entender legítima a execução extrajudicial do imóvel em questão (Evento 80).

Em suas razões recursais, o autor suscita, preliminarmente, cerceamento de defesa. No mérito, sustenta a nulidade da venda extrajudicial, alegando que o corréu INÁCIO ZAGO CARNELUTTI não poderia ter adquirido o bem, nos termos do edital licitatório (Evento 92).

Com contrarrazões (Eventos 98 e 100), vieram os autos a este Tribunal.

É o relatório. Inclua-se em pauta.

VOTO

Primeiramente, quanto à alegação de cerceamento de defesa, a alegação genérica de nulidade da sentença, sem que seja indicada especificamente a prova cerceada, impede o conhecimento da questão em sede de apelação.

Não obstante isso, o deferimento da prova vai depender da avaliação do magistrado quanto à necessidade dela, diante da matéria controversa e do confronto com as provas já existentes.

Conforme o artigo 131 do Código de Processo Civil, o magistrado não está obrigado a julgar a questão posta a seu exame de acordo com o pleiteado pelas partes, mas sim com o seu livre convencimento, utilizando-se dos fatos, provas, jurisprudência e aspectos pertinentes ao tema, bem como da legislação que entender aplicável ao caso.

Sendo o juiz o destinatário da prova, a ele compete ponderar sobre a necessidade ou não da sua realização. A produção probatória deve possibilitar ao magistrado a formação do seu convencimento acerca da questão posta, cabendo-lhe indeferir as diligências que reputar desnecessárias ou protelatórias ao julgamento da lide, nos termos do artigo 130 do CPC (TRF4, AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5035199-24.2015.404.0000, 3ª TURMA, Des. Federal FERNANDO QUADROS DA SILVA, POR UNANIMIDADE, JUNTADO AOS AUTOS EM 26/11/2015; TRF4, AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5011923-61.2015.404.0000, 4ª TURMA, Des. Federal CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JÚNIOR, POR UNANIMIDADE, JUNTADO AOS AUTOS EM 10/07/2015).

Sendo assim, não se configura cerceamento de defesa quando o conjunto probatório dos autos é suficiente para formação da convicção do magistrado, nos termos do CPC (TRF4, APELAÇÃO CÍVEL Nº 5071797-85.2013.404.7100, 4ª TURMA, Des. Federal CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JÚNIOR, POR UNANIMIDADE, JUNTADO AOS AUTOS EM 18/09/2015).

Ademais, o juízo de origem está próximo das partes e dos fatos, devendo ser prestigiada sua apreciação dos fatos da causa, uma vez não havendo nos autos situação que justifique alteração do que foi decidido (TRF4, AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5003582-46.2015.404.0000, 4ª TURMA, Des. Federal CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JÚNIOR, POR UNANIMIDADE, JUNTADO AOS AUTOS EM 02/10/2015).

Quanto ao mérito, o pedido de anulação do leilão extrajudicial fundamenta-se, basicamente, em questões de ordem subjetiva relacionadas à pessoa do arrematante.

O apelante alega que o corréu INÁCIO ZAGO CARNELUTTI, bem como a sua genitora, faziam parte do quadro de leiloeiros da Caixa Econômica Federal e, nesta condição, não poderiam participar da arrematação de imóveis alienados extrajudicialmente por esta, aplicando-se, por analogia, o disposto no artigo 497, inciso IV, do Código Civil.

Analisando o conjunto probatório dos autos, INÁCIO ZAGO CARNELUTTI não atuou como leiloeiro no certame em questão (OUT17 - Evento 35). Mais do que isso, na data em que realizada a alienação, o corréu já havia protocolado pedido de exoneração das funções de leiloeiro na Junta Comercial do Estado do Rio Grande do Sul (OUT14 - Evento 35).

Tal informação é ratificada pela própria CEF, quando informa que INÁCIO ZAGO CARNELUTTI e sua genitora, Cleci Amabile Levy Zago, não são ou foram leiloeiros credenciados daquela instituição financeira (OUT7 - Evento 35).

Dessa forma, não vislumbro qualquer impedimento, legal ou administrativo, que impedisse INÁCIO ZAGO CARNELUTTI de participar do certame e adquirir o bem leiloado.

Por esses motivos, mantenho e adoto como razões de decidir a sentença proferida pelo Magistrado Everson Guimarães Silva, enquanto Juiz Federal Substituto da 2ª VF de Pelotas, que bem solucionou a lide, in verbis:

"II)

Preliminar de ilegitimidade ativa

Conforme já consignado nas decisões anteriores, trata-se de ação em que o autor postula o reconhecimento de direito de preferência para a aquisição de imóvel em virtude de sua condição de locatário.

Assim, afigura-se evidente a sua legitimidade para figurar no polo ativo do feito.

Mérito

O pedido de anulação do leilão extrajudicial fundamenta-se, basicamente, em questões de ordem subjetiva relacionadas à pessoa do arrematante.

Segundo argumentos deduzidos pelo autor, na inicial, o corréu Inácio fazia parte do quadro de leiloeiros da Caixa Econômica Federal e, nesta condição, não poderia participar da arrematação de imóveis alienados extrajudicialmente por esta, aplicando-se, por analogia, o disposto no art. 497, inc. IV, do Código Civil, abaixo transcrito:

Art. 497. Sob pena de nulidade, não podem ser comprados, ainda que em hasta pública:I - pelos tutores, curadores, testamenteiros e administradores, os bens confiados à sua guarda ou administração;II - pelos servidores públicos, em geral, os bens ou direitos da pessoa jurídica a que servirem, ou que estejam sob sua administração direta ou indireta;III - pelos juízes, secretários de tribunais, arbitradores, peritos e outros serventuários ou auxiliares da justiça, os bens ou direitos sobre que se litigar em tribunal, juízo ou conselho, no lugar onde servirem, ou a que se estender a sua autoridade;IV - pelos leiloeiros e seus prepostos, os bens de cuja venda estejam encarregados.

Não assiste, contudo, razão ao demandante.

Primeiramente, com relação ao pedido de aplicação analógica da norma, percebe-se que o autor não está postulando seja suprida uma omissão legal, mas sim a ampliação, por analogia , de uma restrição imposta pelo legislador, o que, em última análise, não encontra amparo em nosso ordenamento.

Com efeito, nos termos do princípio da legalidade, insculpido no artigo , inciso II, da Constituição Federal, 'ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei'.

Assim, somente a existência de vedação legal expressa pode autorizar a restrição de direito, não se prestando para tal fim a ampliação por analogia, pretendida pelo autor.

Por fim, mesmo que fosse admitida a ampliação da restrição legal por analogia, a incidência da norma citada dependeria da comprovação de que o corréu Inácio era leiloeiro credenciado junto à Caixa Econômica Federal quando da alienação do imóvel, o que, com efeito, igualmente não restou confirmado.

Pelo contrário, de acordo com os documentos juntados aos autos, o corréu Inácio não foi o leiloeiro responsável pela alienação do imóvel por ele adquirido (evento 35, documento 17); além disso, na data em que realizada a alienação, já havia protocolado pedido de exoneração das funções de leiloeiro na Junta Comercial do Estado do Rio Grande do Sul (evento 35, documento 14).

Não bastassem essas evidências, as informações prestadas pela Caixa Econômica Federal em feito semelhante (evento 35, documento 7) dão conta de que o réu e sua genitora (Cleci Amabile Levy Zago) não são e não foram leiloeiros credenciados junto àquela instituição financeira.

Melhor sorte não assiste ao demandante quanto aos demais argumentos do demandante.

Conforme desponta da inicial, o autor teria locado o imóvel da Senhora Rosane de Almeida Borges, ficando esta responsável pela quitação do financiamento junto à Caixa e posterior regularização do registro em favor do autor, uma vez que este estaria honrando com o pagamento do financiamento, através de um contrato de locação.

Além de não ser compreensível a que título o autor estaria na posse do imóvel (se como locatário ou como futuro adquirente), resta evidente, pelas informações prestadas na inicial, o seu conhecimento quanto à irregularidade e precariedade da posse da locadora do imóvel, a qual sequer era a mutuária original do bem.

No que tange ao suposto direito de preferência, tenho que não se afigura presente na situação dos autos.

Com efeito, o artigo 38 do Estatuto do Idoso - e não o direito de preferência da Lei n.º 8.045/91, referido pela CEF e pela EMGEA - prevê a prioridade na aquisição de imóvel para moradia própria, por idosos, em programas habitacionais, públicos ou subsidiados com recursos públicos (sublinhei).

Tal preferência, contudo, não é oponível ao credor hipotecário e não resta configurada em hipóteses como a dos autos, em que não houve venda do bem, mas execução extrajudicial por inadimplemento, prevista em regramento específico e legítimo".

Mantenho, pois, a sentença, por seus próprios fundamentos.

Ante o exposto, voto por negar provimento à apelação.

Desembargador Federal CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JUNIOR
Relator

Documento eletrônico assinado por Desembargador Federal CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JUNIOR, Relator, na forma do artigo , inciso III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006 e Resolução TRF 4ª Região nº 17, de 26 de março de 2010. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 8163182v3 e, se solicitado, do código CRC 58A11657.
Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): Cândido Alfredo Silva Leal Junior
Data e Hora: 08/04/2016 10:17

EXTRATO DE ATA DA SESSÃO DE 06/04/2016

RELATOR
:
Des. Federal CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JÚNIOR
PRESIDENTE
:
VIVIAN JOSETE PANTALEÃO CAMINHA
PROCURADOR
:
Drª Adriana Zawada Melo
APELANTE
:
DARCIONIRIO PEIXOTO DA SILVA
ADVOGADO
:
LILIAN OLIVEIRA FELIPPE
:
Ana Paula Ferreira do Carmo
APELADO
:
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF
:
EMPRESA GESTORA DE ATIVOS - EMGEA
APELADO
:
INACIO ZAGO CARGNELUTTI
ADVOGADO
:
LISIANE DE ALMEIDA LUCHO KOPP
MPF
:
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

Certifico que este processo foi incluído na Pauta do dia 06/04/2016, na seqüência 534, disponibilizada no DE de 15/03/2016, da qual foi intimado (a) o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL e as demais PROCURADORIAS FEDERAIS.

Certifico que o (a) 4ª TURMA, ao apreciar os autos do processo em epígrafe, em sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão:
A TURMA, POR UNANIMIDADE, DECIDIU NEGAR PROVIMENTO À APELAÇÃO.

RELATOR ACÓRDÃO
:
Des. Federal CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JÚNIOR
VOTANTE (S)
:
Des. Federal CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JÚNIOR
:
Des. Federal VIVIAN JOSETE PANTALEÃO CAMINHA
:
Des. Federal LUÍS ALBERTO D AZEVEDO AURVALLE

Luiz Felipe Oliveira dos Santos
Diretor de Secretaria


Documento eletrônico assinado por Luiz Felipe Oliveira dos Santos, Diretor de Secretaria, na forma do artigo , inciso III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006 e Resolução TRF 4ª Região nº 17, de 26 de março de 2010. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 8243052v1 e, se solicitado, do código CRC 525AE567.
Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): Luiz Felipe Oliveira dos Santos
Data e Hora: 07/04/2016 00:07

Disponível em: https://trf-4.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/382741577/apelacao-civel-ac-50046438320144047110-rs-5004643-8320144047110/inteiro-teor-382741621