jusbrasil.com.br
4 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - EMBARGOS INFRINGENTES: EI 500XXXX-87.2016.4.04.7127 RS 500XXXX-87.2016.4.04.7127

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

QUARTA SEÇÃO

Julgamento

18 de Outubro de 2018

Relator

VICTOR LUIZ DOS SANTOS LAUS
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

PENAL E PROCESSUAL PENAL. EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE. CONTRABANDO. ARTIGO 334-A, § 1º, INCISO II, DO CÓDIGO PENAL. MEDICAMENTOS. INSIGNIFICÂNCIA PENAL. NÃO AFERIDA. DESTINAÇÃO COMERCIAL. NEGADO PROVIMENTO.

1. Admite-se o reconhecimento da insignificância penal da conduta, nas hipóteses de importação de fármacos, quando se tratar de baixíssima quantidade de medicamentos destinados a consumo pessoal.
2. Apreendidos 1.500 (mil e quinhentos) comprimidos de aspirina, juntamente com diversos produtos destinados a asseio pessoal. Outrossim, os policiais militares, que participaram da abordagem do réu, depuseram em juízo e afirmaram que o acusado lhes afirmou que adquiriu as mercadorias apreendidas com a finalidade de revendê-las. A introdução dos medicamentos, em solo pátrio, restou perpetrada com nítida finalidade comercial.
3. Compete à defesa produzir provas tendentes a demonstrar a inverossimilhança da tese acusatória, bem como comprovar teses defensivas que acarretariam o reconhecimento da atipicidade da conduta ou de causa excludente de antijuridicidade ou da culpabilidade. Inteligência do artigo 156 da Legislação Penal Adjetiva. Precedentes.
4. No presente caso, a defesa não desincumbiu do seu ônus. Os elementos coligidos aos autos não emprestam verossimilhança à tese de que os fármacos eram destinados ao consumo pessoal do acusado. Inviável, destarte, aferir a insignificância penal da conduta sub examine.

Acórdão

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a Egrégia 4ª Seção do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por voto de desempate, negar provimento aos embargos infringentes e de nulidade, vencidos os Desembargadores Federais Cláudia Cristina Cristofani e João Pedro Gebran Neto, e a Juíza Federal Convocada Bianca Geórgia Cruz Arenhart, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.
Disponível em: https://trf-4.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/646551232/embargos-infringentes-ei-50013958720164047127-rs-5001395-8720164047127

Informações relacionadas

Gleiton Caetano, Bacharel em Direito
Modeloshá 5 anos

[Modelo] Embargos de Declaração Criminal

Bafômetro - Embriaguez ao Volante - Embargos Declaratórios - Advogado em Santos

Elenilton Freitas, Advogado
Modeloshá 6 anos

Modelo: Embargos infringentes

Carllos Mauricio, Bacharel em Direito
Modeloshá 3 anos

Modelo de Recurso Especial

Tribunal Regional Federal da 3ª Região
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal Regional Federal da 3ª Região TRF-3 - EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE: EIfNu 000XXXX-08.2016.4.03.6110 SP