jusbrasil.com.br
21 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - AGRAVO DE INSTRUMENTO: AG 5027573-75.2020.4.04.0000 5027573-75.2020.4.04.0000

Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
QUARTA TURMA
Julgamento
23 de Junho de 2020
Relator
CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JUNIOR
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

Este agravo de instrumento ataca decisão proferida pelo juiz federal Rafael Tadeu Rocha da Silva, que indeferiu tutela de urgência, requerida para o fim de reintegração da autora na Força Aérea Brasileira, determinando-se a prorrogação do tempo de serviço, sob o fundamento de ter sido indevido o desligamento. Este é o teor da decisão agravada (Evento 3 do processo originário): Vistos. Cuida-se de Pedido de Antecipação da Tutela formulado em Ação Ordinária, através da qual a autora busca reintegração no serviço militar, aduzindo indevido o desligamento decorrente do indeferimento do pedido de prorrogação do engajamento. Decido. Para o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela jurisdicional se faz necessária a verossimilhança do direito do autor e o fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação, conforme reza o artigo 273, caput e inciso I, do estatuto processual civil brasileiro. No presente caso, tenho que a tutela antecipatória deve ser indeferida, uma vez que não se pode prescindir da adequada instrução probatória, capaz de atribuir verossimilhança à pretensão inicial. Com efeito, impende seja laborada efetiva certeza quanto ao equívoco questionado, tangente ao indeferimento da prorrogação e desligamento da autora do serviço militar, de forma que não se pode prescindir da formação do contraditório e da dilação probatória, mormente considerando que o deferimento de prorrogação do tempo de serviço militar consiste em ato discricionário da Administração. Dessa forma, à míngua de elementos probatórios favoráveis à tese sustentada na inicial, tendo por base os documentos carreados aos autos neste momento processual, remanesce hígido o desligamento da autora, inviabilizando a reintegração liminar pretendida. De outro norte, ausente também o periculum in mora, pois, a despeito do caráter alimentar do soldo, não há qualquer indício de incapacidade laboral civil, estando a autora, em princípio, capaz de prover o seu sustento. ANTE O EXPOSTO, indefiro o pedido de antecipação dos efeitos da tutela, nos termos da fundamentação. Defiro o pedido de assistência judiciária gratuita. Anote-se. 1. Intime-se. 2. Deixo de designar Audiência de Conciliação ou de Mediação (art. 334 do NCPC), pois não é admitida autocomposição (art. 334, § 4º, inc. II, do NCPC), por se tratar de direito indisponível. 3. Cite-se a União, na pessoa de seu (s) representante (s) lega (is), para, querendo, contestar, no prazo legal (trinta dias; art. 183 e 335 do NCPC). No mesmo prazo, indicar especificamente as provas que pretende produzir, com os respectivos pontos controvertidos, de forma detalhada e em tópicos. Ainda, deve anexar todos os documentos/arquivos relativos à controvérsia. 4. Na sequência, intime-se a parte autora para manifestar-se, no prazo de 15 (quinze) dias, sobre a (s) contestação (ões), inclusive para falar de eventuais preliminares alegadas, do disposto no art. 350 do NCPC, bem como matérias de ordem pública, tais como legitimidade, interesse, prescrição e decadência, requerendo o que entender de direito. 5. Após, digam as partes sobre a produção de provas, justificando sua pertinência para resolução da controvérsia. Prazo: 15 dias. A parte agravante pede a reforma da decisão. Alega que: a) não foi revelado qualquer motivo fático ou motivação para o ato de desligamento da autora, limitando-se a ré a alegar simples inexistência de 'interesse' da Administração; b) há equívoco no ato administrativo, por flagrante violação aos princípios que regem a administração pública; c) o ato administrativo questionado deve ser anulado; d) diante da ausência de fundamentação, o despacho administrativo não esclareceu os reais motivos para indeferir o pedido de prorrogação do serviço militar formulado pela agravante; e) sendo a motivação parte integrante do ato de indeferimento do pedido de prorrogação de tempo de serviço da agravante, a ausência de justa causa, ou de motivação, macula todo o ato administrativo, sendo, portanto, de justiça, que seja anulado; e f) a reintegração da parte agravante no Hospital Militar da Aeronáutica não trará qualquer prejuízo ao serviço público, pois continuará repetindo a sua excelente e comprovada atuação, bem atendendo assim às necessidades do serviço. Pede, assim, a antecipação da tutela recursal e, ao final, o provimento do agravo de instrumento para reformar a decisão agravada. Relatei. Decido. O deferimento total ou parcial da pretensão recursal, em antecipação da tutela, por decisão monocrática do relator, é cabível quando estiverem evidenciados, de um lado, a probabilidade do direito (que, no caso, consiste na probabilidade de provimento do recurso), e, de outro, o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo ( CPC, art. 1.019-I, c/c art. 300). Embora relevantes as alegações da parte agravante, julgo não estarem presentes os requisitos necessários para o deferimento da tutela recursal antecipada, entendendo deva ser, por enquanto, mantida a decisão agravada, por estes fundamentos: (a) o juízo de origem está próximo das partes e dos fatos, devendo ser prestigiada sua apreciação dos fatos da causa, não existindo nos autos, nesse momento, situação que justificasse alteração do que foi decidido; (b) a decisão agravada está suficientemente fundamentada, neste momento parecendo a este relator que aquele entendimento deva ser mantido porque bem equacionou as questões controvertidas; e (c) a probabilidade de provimento deste agravo de instrumento é escassa, considerando que a decisão recorrida está alinhada com o entendimento desta 4ª Turma, no sentido de que o licenciamento militar é ato discricionário da Administração Militar, que se efetua a pedido ou ex officio (art. 121, I e II, da Lei nº 6.880/80). Cito ementa que aborda as questões discutidas no recurso: ADMINISTRATIVO. MILITAR TEMPORÁRIO. LICENCIAMENTO DE OFÍCIO. AUSÊNCIA DE INTERESSE PÚBLICO. DESVIO DE FINALIDADE. DISCRICIONARIEDADE DA ADMINISTRAÇÃO. LEGALIDADE DO ATO ADMINISTRATIVO. DANOS MORAIS E MATERIAIS. IMPROCEDÊNCIA. 1. O licenciamento militar é ato discricionário da Administração Militar, que se efetua a pedido ou ex officio (art. 121, I e II, da Lei nº 6.880/80). 2. O ato de licenciamento dispensa motivação, podendo ser feito a qualquer tempo antes de alcançada a estabilidade. 3. Os aspectos relativos à capacidade de trabalho e eficiência no desempenho das funções militares não autorizam o Poder Judiciário a intervir em matéria afeta à conveniência da Administração Militar. 4. O interesse público é apenas uma das condições do inciso VII (haver interesse do Exército) do art. 152 da Portaria nº 046 - DGP para fim de prorrogação de tempo de serviço, cuja satisfação não afasta a necessidade de cumprimento das demais exigências previstas naquela Portaria. 5. O licenciamento do militar decorre de manifestação do poder discricionário conferido ao administrador, que permite que o agente se oriente livremente com base no binômio conveniência-oportunidade, percorrendo também livremente o terreno demarcado pela legalidade. 6. A intervenção do Judiciário no âmbito do ato discricionário de licenciamento de ofício somente se justifica nos casos de ilegalidade, ausente na situação. 7. Indenização por danos morais indeferida, pois: (a) o ato de licenciamento levado a efeito pela autoridade militar ocorreu dentro da legalidade e legitimidade, e (b) a existência de ato lesivo praticado pela ré, ou por seus agentes, é pressuposto para a responsabilização daquela. 8. Ausência de justificativa ou de apresentação de provas quanto ao enquadramento dos deslocamentos na forma de diária, o que afasta o direito ao ressarcimento de tais valores na forma em que requerida pelo autor. 9. Apelação improvida. ( APELAÇÃO CÍVEL Nº 5000365-71.2016.4.04.7109/RS; RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL CÂNDIDO ALFREDO SILVA LEAL JUNIOR; Data da Decisão: 04/07/2018). Portanto, a ausência de interesse da Administração em prorrogar o serviço militar não me parece aqui configurar arbitrariedade ou ilegalidade no ato do superior hierárquico, mas sim manifestação do poder discricionário conferido ao administrador. Deve, assim, prevalecer o ato administrativo de licenciamento da autora. Ante o exposto, indefiro o pedido de antecipação da tutela recursal. Intimem-se as partes, inclusive a parte agravada para contrarrazões. Dispenso as informações. Se necessário, comunique-se ao juízo de origem. Após, adotem-se as providências necessárias para julgamento.
Disponível em: https://trf-4.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/865873609/agravo-de-instrumento-ag-50275737520204040000-5027573-7520204040000

Informações relacionadas

Tribunal Regional Federal da 4ª Região
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - APELAÇÃO CIVEL: AC 5000365-71.2016.4.04.7109 RS 5000365-71.2016.4.04.7109