jusbrasil.com.br
24 de Outubro de 2019
2º Grau

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA : AMS 11756 PR 2007.70.00.011756-8 - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor


D.E.

Publicado em 05/08/2008
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2007.70.00.011756-8/PR
RELATOR
:
Des. Federal VALDEMAR CAPELETTI
EMBARGANTE
:
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA
ADVOGADO
:
Solange Dias Campos Preussler
EMBARGADO
:
ACÓRDÃO DE FLS.523
INTERESSADO
:
INSTITUTO PROE
ADVOGADO
:
Luiz Carlos Caldas
REMETENTE
:
JUÍZO FEDERAL DA 02A VF DE CURITIBA
























EMENTA
























ADMINISTRATIVO. LICITAÇÃO. SISTEMA DE CADASTRAMENTO UNIFICADO DE SERVIÇOS GERAIS - SICAF. EXIGÊNCIA DE REGISTRO COMO CONDIÇÃO PARA FIRMAR TERMO DE CONVÊNIO PARA CREDENCIAMENTO COMO AGENTE DE ESTÁGIO. AFASTAMENTO. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO.
Recurso que, embora conhecido para fim de prequestionamento, deve ser rejeitado pela ausência do apontado pressuposto de acolhida, qual seja a omissão.

























ACÓRDÃO
























Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a Egrégia 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, rejeitar os embargos de declaração nos termos do relatório, votos e notas taquigráficas que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.
Porto Alegre, 23 de julho de 2008.




































VALDEMAR CAPELETTI
Relator


Documento eletrônico assinado digitalmente por VALDEMAR CAPELETTI, Relator , conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que instituiu a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, e a Resolução nº 61/2007, publicada no Diário Eletrônico da 4a Região nº 295 de 24/12/2007. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico https://www.trf4.gov.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 2372229v5 e, se solicitado, do código CRC CD75E6BA .
Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): VALDEMAR CAPELETTI
Nº de Série do Certificado: 42C50B8B
Data e Hora: 24/07/2008 16:50:36



EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2007.70.00.011756-8/PR
RELATOR
:
Des. Federal VALDEMAR CAPELETTI
EMBARGANTE
:
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA
ADVOGADO
:
Solange Dias Campos Preussler
EMBARGADO
:
ACÓRDÃO DE FLS.523
INTERESSADO
:
INSTITUTO PROE
ADVOGADO
:
Luiz Carlos Caldas
REMETENTE
:
JUÍZO FEDERAL DA 02A VF DE CURITIBA
























RELATÓRIO
























Trata-se de embargos de declaração, opostos pela apelante ao acórdão de fl. 523 sob o fundamento da omissão e visando ao prequestionamento de matéria recursal.

A embargante aponta a omissão do acórdão embargado no tocante à aplicabilidade, à espécie, dos dispositivos elencados nas razões de recurso de fls. 525/527.

É o relatório.
























VALDEMAR CAPELETTI
Relator


Documento eletrônico assinado digitalmente por VALDEMAR CAPELETTI, Relator , conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que instituiu a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, e a Resolução nº 61/2007, publicada no Diário Eletrônico da 4a Região nº 295 de 24/12/2007. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico https://www.trf4.gov.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 2372227v4 e, se solicitado, do código CRC E95BAFF6 .
Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): VALDEMAR CAPELETTI
Nº de Série do Certificado: 42C50B8B
Data e Hora: 24/07/2008 16:50:33



EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2007.70.00.011756-8/PR
RELATOR
:
Des. Federal VALDEMAR CAPELETTI
EMBARGANTE
:
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA
ADVOGADO
:
Solange Dias Campos Preussler
EMBARGADO
:
ACÓRDÃO DE FLS.523
INTERESSADO
:
INSTITUTO PROE
ADVOGADO
:
Luiz Carlos Caldas
REMETENTE
:
JUÍZO FEDERAL DA 02A VF DE CURITIBA
























VOTO
























Conheço dos embargos de declaração porque visam ao prequestionamento de matéria recursal.

O voto condutor do acórdão embargado tem o seguinte conteúdo:

"A sentença recorrida deve ser confirmada.
A apelante preconiza sua reforma por quatro razões básicas: violação do princípio de vinculação ao edital, decadência do direito de impugná-lo, legalidade da exigência de cadastramento no SICAF e inobservância das regras licitatórias, em especial das dedicadas à fase externa da habilitação.
Não lhe assiste razão, no entanto.
Os fundamentos do ato sentencial afiguram-se inatacáveis, valendo transcrevê-los em seus contornos essenciais:
"... De início, convém esclarecer o que exatamente é o Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores (SICAF).
(...)
Como o número de licitações realizadas pelas entidades públicas é grande, e também grande a quantidade de interessados em delas participar, a lei previu a hipótese de um cadastro geral das empresas habilitadas. Conforme o art. 34 da Lei nº 8.666/1993:
Art. 34. Para os fins desta Lei, os órgãos e entidades da Administração Pública que realizem freqüentemente licitações manterão registros cadastrais para efeito de habilitação, na forma regulamentar, válidos por, no máximo, um ano.
§ 1o O registro cadastral deverá ser amplamente divulgado e deverá estar permanentemente aberto aos interessados, obrigando-se a unidade por ele responsável a proceder, no mínimo anualmente, através da imprensa oficial e de jornal diário, a chamamento público para a atualização dos registros existentes e para o ingresso de novos interessados.
§ 2o É facultado às unidades administrativas utilizarem-se de registros cadastrais de outros órgãos ou entidades da Administração Pública.
(O caráter nacional do cadastro é dado pelo § 2º do referido dispositivo legal).
Trata-se de uma economia de tempo e comodidade para todos os envolvidos. Em vez de os licitantes terem de comprovar, a cada licitação, possuir a documentação pertinente, basta a consulta ao cadastro eletrônico; de igual forma, em vez de as comissões de licitação terem de analisar, a cada vez, uma grande quantidade de documentos, basta consultar o cadastro.
A discussão é se esse cadastro é obrigatório como requisito para participar de licitações.
A resposta é negativa. Basta ler o art. , § 1º, II, do Decreto nº 3.722/2001 para chegar à conclusão que o cadastro é facultativo:
Art. 1º O Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores - SICAF constitui o registro cadastral do Poder Executivo Federal, na forma definida neste Decreto, mantido pelos órgãos e entidades que compõem o Sistema de Serviços Gerais - SISG, nos termos do Decreto nº 1.094, de 13 de março de 1994.(Redação dada pelo Decreto nº 4.485, de 2002) § 1º A habilitação dos fornecedores em licitação, dispensa, inexigibilidade e nos contratos administrativos pertinentes à aquisição de bens e serviços, inclusive de obras e publicidade, e a alienação e locação poderá ser comprovada por meio de prévia e regular inscrição cadastral no SICAF:(Redação dada pelo Decreto nº 4.485, de 2002) I - como condição necessária para emissão de nota de empenho, cada administração deverá realizar prévia consulta ao SICAF, para identificar possível proibição de contratar com o Poder Público; e (Incluído pelo Decreto nº 4.485, de 2002)
II - nos casos em que houver necessidade de assinatura do instrumento de contrato, e o proponente homologado não estiver inscrito no SICAF, o seu cadastramento deverá ser feito pela Administração, sem ônus para o proponente, antes da contratação, com base no reexame da documentação apresentada para habilitação, devidamente atualizada. (Incluído pelo Decreto nº 4.485, de 2002)
Como se vê, o que existe é um dever de a Administração efetuar o cadastramento quando for assinado o contrato administrativo - diga-se, por seus próprios meios e sem ônus para o licitante. Descabido exigir, portanto, que o proponente já seja cadastrado como requisito para participação em licitações de qualquer espécie.
(...)
Superada a exigência de prévio cadastramento no SICAF, exsurge-se a parte autora contra outra exigência prevista no edital, qual seja, o item III, 6, assim redigido (fls. 198):
"(...) 6. Comprovante assinado pela unidade concedente, da taxa administrativa cobrada pelo agente de integração, pela administração dos estágios. Tais documentos podem ser cópias dos convênios firmados, declarações ou outra documentação comprobatória".
(...)
O argumento utilizado pela autoridade coatora para indeferir a habilitação da impetrante a esse título foi deveras razoável: a documentação pertinente não foi entregue no prazo previsto, e seria tratar desigualmente a autora se se pudesse admitir que juntasse os documentos a posteriori quando outras o fizeram no prazo.
(...)
São extremamente pertinentes as ponderações do e. Procurador da República que atuou no feito sobre o tema (fls. 477):
"Quanto ao outro item que foi descumprido, tem-se que o Edital de Credenciamento de Agentes de Integração de Estágio - 2007explicita no sub-item 6, pertencente ao item II, a necessidade de apresentação de comprovante da taxa administrativa cobrada pelo agente de integração de administração de estágios, assinado pela unidade concedente. Isso poderia ter sido feito por meio da apresentação de cópias de convênios firmados, declarações ou outra documentação comprobatória - desde que explicitasse a taxa administrativa cobrada, reitera-se.
A observação ao documentos trazidos pela autoridade coatora (especialmente Às fls. 191/211 e 228/299) demonstra que o impetrante, de fato, não apresentou nesse primeiro momento a Ata Convite nº 03/2007 do Tribunal de Contas do Estado do Paraná - documento que comprovaria a taxa administrativa cobrada pelo agente de integração. Mas na ocasião de interposição do recurso administrativo, logo após o conhecimento do indeferimento do pedido, tais documentos foram devidamente apresentados - conforme se pode observar às fls. 320/322 destes autos.
Assevera-se, por fim, que a efetivação do direito à educação em sua plenitude, enquanto direito fundamental do homem - positivado no art. de nossa Carta Magna -, deve ser priorizada. O art. 205 da Constituição Federal estabelece os três objetivos essenciais da educação no país, segundo a lição de José Afonso da SILVA: o pleno desenvolvimento da pessoa, o preparo da pessoa para o exercício da cidadania e a qualificação da pessoa para o trabalho. As atividades de estágio consistem em um dos meios principais para a satisfação destas metas - especialmente em relação a última delas. A superação de aspectos procedimentais no credenciamento da parte impetrante alinhar-se-ia a uma perspectiva de ampliação das possibilidades de oferecimento de vagas de estágios aos estudantes - sem perder de vista o alcance à finalidade, uma vez que todos os requisitos exigidos foram cumpridos."
Em outras palavras, o interesse da entidade impetrada deve ser ampliar ao máximo o oferecimento de vagas de estágio a seus alunos, proporcionando a eles maior chance de futura inserção no mercado de trabalho. Logo, os requisitos para credenciamento de entidades devem ser vistos com certa flexibilidade. Exigir documento que o postulante não possuía, nem tinha condições de obter à época do fim do prazo editalício, é desmesurado. ..."
Por conseguinte, afiguram-se irrefutáveis as colocações da douta representação do Parquet nesta instância, ao pé da fundamentação do seu parecer de fls. 515/519:
"... Com efeito, o princípio da vinculação ao edital não pode ser interpretado de forma tão rigorosa a ponto de sobrepor-se ao objetivo da licitação e ao interesse público: as eventuais irregularidades formais constatadas, que não se mostrem prejudiciais aos outros participantes do certame e, ainda, que não constituam ofensa ao princípio da isonomia e economicidade buscada pelo processo licitatório, devem ser relevadas - de modo a haver preponderância do interesse público. ..."
Ante o exposto, voto por negar provimento à apelação e à remessa"ex officio"."

Ressalte-se que o acórdão embargado, com clareza objetiva e de modo coerente, julgou a temática recursal nos termos do litígio, considerando os aspectos que reputou pertinentes e relevantes à fundamentação do "decisum".

Os dispositivos invocados para fim de prequestionamento não se aplicam à espécie com o sentido e o alcance preconizados pela embargante.

Portanto, não há omissão a ser suprida.

Ante o exposto, voto por rejeitar os embargos de declaração.
























VALDEMAR CAPELETTI
Relator


Documento eletrônico assinado digitalmente por VALDEMAR CAPELETTI, Relator , conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que instituiu a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, e a Resolução nº 61/2007, publicada no Diário Eletrônico da 4a Região nº 295 de 24/12/2007. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico https://www.trf4.gov.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 2372228v4 e, se solicitado, do código CRC 63E4426B .
Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): VALDEMAR CAPELETTI
Nº de Série do Certificado: 42C50B8B
Data e Hora: 24/07/2008 16:50:39



EXTRATO DE ATA DA SESSÃO DE 23/07/2008
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2007.70.00.011756-8/PR
ORIGEM: PR 200770000117568



RELATOR
:
Des. Federal VALDEMAR CAPELETTI
PRESIDENTE
:
Marga Inge Barth Tessler
PROCURADOR
:
Dr (a) Eduardo Kurtz Lorenzoni
EMBARGANTE
:
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA
ADVOGADO
:
Solange Dias Campos Preussler
EMBARGADO
:
ACÓRDÃO DE FLS.523
INTERESSADO
:
INSTITUTO PROE
ADVOGADO
:
Luiz Carlos Caldas
REMETENTE
:
JUÍZO FEDERAL DA 02A VF DE CURITIBA
Certifico que o (a) 4ª TURMA, ao apreciar os autos do processo em epígrafe, em sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão:
A TURMA, POR UNANIMIDADE, DECIDIU REJEITAR OS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO.



RELATOR ACÓRDÃO
:
Des. Federal VALDEMAR CAPELETTI
VOTANTE (S)
:
Des. Federal VALDEMAR CAPELETTI
:
Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
:
Juiz Federal MÁRCIO ANTÔNIO ROCHA










Regaldo Amaral Milbradt
Diretor de Secretaria


Documento eletrônico assinado digitalmente por Regaldo Amaral Milbradt, Diretor de Secretaria , conforme MP nº 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que instituiu a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, e a Resolução nº 61/2007, publicada no Diário Eletrônico da 4a Região nº 295 de 24/12/2007. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico https://www.trf4.gov.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 2395718v1 e, se solicitado, do código CRC A6D3D856 .
Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): REGALDO AMARAL MILBRADT:11574
Nº de Série do Certificado: 443553F9
Data e Hora: 24/07/2008 19:33:29