jusbrasil.com.br
10 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - REMESSA EX OFFICIO EM AÇÃO CÍVEL: REOAC XXXXX-51.2015.4.04.9999 PR XXXXX-51.2015.4.04.9999

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

SEXTA TURMA

Julgamento

Relator

SALISE MONTEIRO SANCHOTENE
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. INEXISTÊNCIA DE QUALQUER DOS DEFEITOS QUE PODERIAM MOTIVAR A OPOSIÇÃO. LIMITES DO PREQUESTIONAMENTO. REITERAÇÃO DE EMBARGOS MANIFESTAMENTE PROTELATÓRIOS OU IMPERTINENTES. MULTA. CABIMENTO.

1. Se o acórdão não apresenta omissão, contradição, obscuridade ou erro material, não cabe a oposição de embargos de declaração.
2. Não basta mera indicação de dispositivos legais ou constitucionais com pedido genérico, a título de prequestionamento, para que haja manifestação a respeito.
3. Evidenciado o manifesto propósito protelatório dos embargos de declaração, incide na espécie o disposto no art. 1.026, §§ 2º e do Código de Processo Civil de 2015.
4. O intuito protelatório se evidencia quando constatado que os aclaratórios não visam ao aperfeiçoamento do julgamento, que é o de suprir omissão, expungir contradição, clarear obscuridade ou mesmo corrigir erro material.
5. Mesmo sem haver intenção manifestamente protelatória, por não convir à parte tal efeito, a reiteração de embargos de declaração desnecessários traz outra consequência, igualmente nefasta, que é a de sobrecarregar o Judiciário ao obrigá-lo à apreciação de recursos sem qualquer utilidade para o aperfeiçoamento da prestação jurisdicional.
6. A exposição de viés argumentativo que se diferencia do anteriormente utilizado somente na aparência, mantendo, contudo, a mesma linha de raciocínio já enfrentada e rechaçada, constitui tentativa de burlar o provimento judicial por via oblíqua e ofensiva ao dever da parte de proceder com lealdade, pois visa ao descuido do órgão julgador, assoberbado que se encontra pelo grande volume de trabalho em matéria previdenciária na atualidade.
7. Se a decisão embargada não padece dos vícios que ensejam a interposição dos aclaratórios e soluciona a questão com fundamento por si só suficiente para ensejar a rejeição ou acolhimento do pedido, nenhum efeito prático advém da interposição de novos embargos de declaração, cabendo à parte veicular sua inconformidade pelas vias recursais apropriadas.
8. A insistência em reverter o resultado do julgamento quando já ultrapassado o momento processual adequado nenhum benefício traz à prestação jurisdicional e às próprias partes, sendo recomendável o desincentivo à prática por meio da aplicação de multa, nos termos do § 2º do art. 1.026. Precedentes do Superior Tribunal de Justiça.
9. Embargos de declaração rejeitados, com aplicação de multa de 2% sobre o valor atualizado da causa, nos termos do art. 1.026, § 2º, do CPC/2015.

Acórdão

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a Egrégia 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, rejeitar os embargos de declaração e aplicar à parte embargante multa de 2% sobre o valor atualizado da causa, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.
Disponível em: https://trf-4.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/901295178/remessa-ex-officio-em-acao-civel-reoac-172115120154049999-pr-0017211-5120154049999